quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Piada do João Quadros, Passos e Racistas

Cheio de medo dos indignados, aqui me confesso: eu ri-me da piada do João Quadros sobre o Passos Coelho. 

Mas explico: Eu realmente lembrei-me que a mulher do Passos andava a fazer tratamentos por causa do cancro e que tinha perdido o cabelo e associei o comentário da cabeça rapada. Só que nunca me tinha apercebido que a senhora é preta. Depois de ler várias coisas sobre a piada e o politicamente correcto e até os méritos da piada, li que, realmente, sendo a senhora preta e o Passos tendo casado com alguém de outra raça, faz com que a piada perca piada, pois um racista não ia fazer família com alguém de outra raça.

Mas depois fiquei a pensar: o facto de a malta achar que a piada não tem piada só porque a mulher do Passos é preta, não é racismo???

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Nicolau Santos, o Nuno Saraiva e o Sporting

Nicolau Santos, jornalista com responsabilidades no jornal Expresso que não abdica do seu lacinho e que em tempos foi humilhado por um freguês que se fez passar por alguém importante da ONU - e se tivesse vergonha no laço hoje já não era jornalista à conta desse episódio - tem escrito sobre o seu clube do laço, o Sporting.

Ora bem, Nicolau fez uma observação aos jogos do Sporting e concluiu no dia 27 de Julho:
- Sporting. Assim não vamos lá. Esqueçam, vamos ter mais um ano perdido 

Isto foi lido pelo director de comunicação sportinguista, Nuno Saraiva, que se apressou a responder no seu facebook:
- O diretor de comunicação do Sporting começa com um “concordamos em discordar” e diz lamentar a existência de “sportinguistas que preferem alimentar o ego com opinião publicada”.

No dia 7 de Agosto, após a vitória do Sporting nas Aves, fez mais uma crónica em que responde ao Nuno Saraiva ironizando e ridicularizando o mister Jesus:
Caro Nuno Saraiva,
Depois da nossa recente troca de pontos de vista, escrevo-te para reconhecer que tens toda a razão. Ainda agora começou o campeonato mas já se vê que temos equipa para sermos campeões. Melhor, vamos ser campeões, ponto final. Todos juntos conseguiremos esse objetivo.

E o fundamental para alcançar o troféu é termos um treinador como Jorge Jesus, com provas dadas há muitos e muitos anos, sobretudo em matéria de invenções. 
(...)
E zás, colocou a jogar uma equipa que nunca tinha jogado na pré-época. Ou melhor, parte da equipa. Podence, que era dado como titularíssimo, para jogar nas costas de Bas Dost, ficou no banco. Bruno Fernandes, que era dado como titularíssimo mas com Adrien no banco, jogou com Adrien, mas numa posição que nunca Jesus tinha testado na pré-época. E assim foi como se o Sporting desta vez não começasse só com dez: desta vez foi mesmo com nove, porque Bas Dost e Bruno Fernandes pareciam peixes fora de água.
(...)
Portanto, temos que o nosso Houdini das táticas deu um banho ao Ricardo Soares.
(...)
Agora estou muito expectante para o próximo jogo que penso que é contra o Setúbal. Suspeito que vai jogar o Bruno César a defesa direito (ele é sempre muito feliz com o Setúbal), o Doumbia ao meio e o Iuri Medeiros, se ainda não foi despachado, à esquerda. O José Couceiro que se cuide.
(...)
Ah, desta vez não foi preciso vídeo-árbitro. Ganhámos mesmo sem o VAR. Foi só preciso inventar uma tática nova. Ou uma equipa que nunca tinha jogado assim. Ou colocar o Bas Dost e o Bruno Fernandes sem bola que é para eles saberem que a vida não é fácil. Grande Jesus!

Mas eis que no dia 10 de Agosto, o Nicolau resolveu fazer o broche ao Saraiva que é como quem diz dar-lhe o prazer de falar mal do Benfica em vez de olhar para dentro de casa:
- E pouco depois Ricardo Horta faz o 3-2. Invalidado pelo fiscal de linha (?) ou pelo videoárbitro. Não se sabe. Mas a decisão é péssima. Erradíssima. Do lado de cá, o lado direito da defesa do Benfica, Seferovic vem pachorrentamente a avançar, colocando em jogo Ricardo Horta. Curiosamente, só vi o lance em que aparece Seferovic numa plano da televisão - nas outras, os realizadores optaram por um plano mais apertado, onde Seferovic já não se vê nos écrans – e assim, qualquer espectador que esteja a ver o jogo em casa, dirá sem hesitações que foi fora-de-jogo. Mas não foi.
Daí a pergunta: nos jogos em casa do Benfica, quem faz a realização? Quem disponibiliza as imagens ao videoárbitro? Quem as edita depois para as televisões? Como é que na TVI24 se via Seferovic e, por exemplo, na SIC, com o plano apertado, ele já não aparecia? Mistério! Queres ver que o videoárbitro também usa óculos encarnados?

Bem, depois daquele episódio com o gajo que se fez passar por alguém importante da ONU que o Nicolau levou à televisão só porque concordava com ele, a desonestidade intelectual do homem do laço não é surpreendente, mas já chega de atirar areia para os olhos das pessoas. Que escreva no facebook como o outro e deixe de poluir a comunicação social e o Expresso.

 


 



terça-feira, 18 de julho de 2017

Homossexuais, ciganos e os indignados

A malta resolveu indignar-se outra vez. Não por causa do sirespe ou do paiol de Tancos mas porque o cirurgião Gentil Martins disse umas coisas e o candidato autárquico André Ventura disse outras.

Quanto ao cirurgião: 

Duas pessoas do mesmo sexo não podem amar-se?
Ouçam, é uma coisa simples: o mundo tinha acabado. Para que o mundo exista tem de haver homens e mulheres. Trato-os como a qualquer doente e estou-me nas tintas se são isto ou aquilo... Não vou tratar mal uma pessoa porque é homossexual, mas não aceito promovê-la. Se me perguntam se é correto? Acho que não. É uma anomalia, é um desvio da personalidade. Como os sadomasoquistas ou as pessoas que se mutilam.

Parece que o que está em causa será a definição de "anomalia", e ele acha que é anômalo um comportamento que na sua essência leva à extinção da espécie. Estará errado? Pelos vistos os indignados pensam que sim.

Quanto ao candidato:

A videovigilância vai resolver o problema dos bairros sociais?
Não digo que vá resolver tudo, mas vai ajudar. Isto que vou dizer pode não ser muito popular, mas é a verdade: temos tido uma excessiva tolerância com alguns grupos e minorias étnicas. Não compreendo que haja pessoas à espera de reabilitação nas suas habitações, quando algumas famílias, por serem de etnia cigana, têm sempre a casa arranjada. Já para não falar que ocupam espaços ilegalmente e ninguém faz nada. Quem tem de trabalhar todos os dias para pagar as contas no final do mês olha para isto com enorme perplexidade. Isto não é racismo nem xenofobia, é resolver um problema que existe porque há minorias no nosso país que acham que estão acima da lei.
Como é que se resolve este problema?
Tratando de igual forma estas etnias e os restantes cidadãos. Se há pessoas a ocuparem ilegalmente fogos imobiliários que não lhes pertencem a Câmara tem de garantir que estes imóveis fiquem livres para quem efetivamente merece. Não podemos é ter casas ocupadas ilegalmente ao jeito dos anos 60 e 70. O poder político não pode ter receio.

Parece que o que está a levantar os animos é a parte azul do texto, em que ele refere um problema que existe e atribui a causa de alguns casos à etnia das pessoas. Vamos imaginar que não eram ciganos: alguém se indignaria?

terça-feira, 11 de julho de 2017

"os rostos do sistema são o Pinto da Costa e o major Valentim Loureiro"

Dias da Cunha disse qualquer coisa parecida com isso há uns anos atrás. Yada, yada, yada e deu no Apito Dourado. Um gajo atento que tenho assistido a Seinfeld sabe que ali o Yada, yada, yada também representa sexo - os chocolatinhos e o café com leite - mas não só. Não foi só por por oferecer prostitutas a árbitros em troca de favores no campo que se formou o tal Sistema. É claro que há coisas que são difíceis de provar mas não é difícil de perceber que para além do controlo dos árbitros também poderia haver controlo sobre clubes adversários, não que seja um controlo ilícito, mas que acontece com alçada da LPF ou FPF: o empréstimo de jogadores. 

Tem sido falado a propósito das compras por parte do Benfica de jogadores para empréstimo a outros clubes, como se o Benfica actuasse não como clube mas como intermediário, confundindo o papel do clube Benfica com o de agente de jogadores. Isto é prática comum entre os maiores clubes do futebol português - o FCP faz isso há anos -, que têm excendentes de matéria prima e canalizam-na para os outros clubes. Isto tanto acontece com os jogadores contratados como com os jogadores que vêm da formação dos próprios clubes - vide o Sporting o ano passado quando condicionou o Vitória de Setúbal ao retirar-lhes os jogadores a meio da época. 

Ora bem, isto acontece porque a Liga e a Federação o permitem. E é muito fácil, se não acabar, pelo menos condicionar esse tipo de comportamento e influências: Limite-se por lei os jogadores inscritos por clube - um clube não pode ter nos seus quadros cinco ou seis equipas de futebol. E, para minimizar o dobrar das regras, o clube tem de comprovar um orçamento na liga que preveja o pagamento dos salários dos jogadores que fazem parte dos seus quadros. (Actualmente existe uma lei que limita o número de jogadores emprestados a determinado clube, mas é facilmente contornado se o jogador for oficialmente dispensado, contratado por um outro clube, mas continuar a ser pago pelo clube de origem.)

Desta forma, a formação dos maiores clubes seria também afectada, já que para além de não lhe ser permitido ter jogadores da formação aos magotes, também lhes seria mais difícil garantir o seu crescimento noutros clubes e faze-los regressar mais tarde já mais maduros. Mas repare-se, Portugal não é só Benfica, Porto e Sporting. Isto só faria com que estes clubes fossem mais selectivos nas suas captações e pudessem deixar para outros clubes por Portugal fora a formação dos putos, que muitas vezes são retirados de casa dos pais para serem mandados para as grandes cidades e acabam por se perder. Portugal não é só Lisboa e Porto. 

A Liga tem de exercer o seu papel de regulador. Porque se não for para isso, para que existe?

ps: O caso dos vouchers também foi muito falado e nem sequer vale a pena discutir se um almoço e uma camisola podem ser considerados suborno. Mas, havendo essa suspeita, de que vale impor um limite de preço? é apenas populismo e não resolve coisa alguma. Se dar presentes a árbitros pode ser considerado suspeito, então acabe-se totalmente com essas prendinhas! e a quem mesmo assim for oferecido tem de reportar. Acabava-se o assunto e a palhaçada.



segunda-feira, 19 de junho de 2017

A Judite e os mortos

Às vezes a gente está tão perto da árvore que não vê a floresta. Em época de incêndios florestais vem a preceito a comparação. Vamos por assim dizer que o caso do grande incêndio é a floresta e o caso da Judite de Sousa é a árvore. 

Caso do grande incêndio (a floresta): Dezenas de mortos, falta de meios para acudir às populações, estratégias de combate deficientes, pessoas desviadas de carro para a morte...

Caso da Judite de Sousa (a árvore): Fez um directo para o telejornal em que apareciam cadáveres no fundo. 

Os mortos mostrados no directo da Judite são a consequência do grande incêndio! Da falta de meios para acudir às populações, das estratégias de combate deficientes, de pessoas aparentemente terem sido instruídas por autoridades a dirigirem-se por determinado caminho para dentro do fogo. Mas o que choca mesmo é o directo da Judite??

Nos últimos tempos foi-se enraizando uma cultura do politicamente correcto que só leva ao desvio de atenções, que enviesa as discussões, que altera prioridades e choca pelas razões erradas.

Infelizmente, a Judite de Sousa é directamente afectada por esse problema e duplamente. Aqui há tempos foi notícia por ter dito num programa de televisão ou de rádio que tinha presenciado uma chacina no Uganda e foi acusada de, sei lá, não ter chorado ao falar disso (!?) e chocou as pessoas que viram/ouviram. Agora é acusada de ter mostrado vítimas de um incêndio na televisão que chocou os espectadores. Ora, o que devia chocar as pessoas é a chacina no Uganda e não a quantidade de emoção com que a Judite falou dos mortos. O que devia chocar os espectadores é o incêndio e o que não foi feito para que tivesse tido as consequências nefastas que teve e não a Judite ter feito um directo com mortos no chão. A prioridade é discutir a floresta, não a árvore! Os factos tendem a ser mais importantes do que a apresentação dos factos.

O mesmo principio pode ser aplicado à Judite de Sousa: o importante é julga-la pela sua competência ou falta dela (o Medina Carreira que o diga) e não por episódios de falta de sentimentos ou emoções ou falta de gosto na escolha da cor do baton.



quarta-feira, 14 de junho de 2017

I play man, I play...

Kind of a Monster é um documentário patrocinado pelos Metallica sobre eles próprios. As filmagens decorriam quando, coincidência ou não, a banda teve um período cheio de interrogações, as coisas não fluíam, as prioridades não estavam bem definidas e as certezas sobre o futuro passaram a dúvidas. Coisas que acontecem tal e qual na vida real.

A série Billions acompanha um gestor de um fundo de alto risco e os seus problemas com a justiça - relações com Wall Street, relações com políticos e Donos Disto Tudo, informação privilegiada e os negócios do costume. O gestor é rico, tem casa de rico, tem mulher de rico e tem vida de rico. Mas os problemas com a justiça e os negócios errados afectam a vida pessoal causando um período cheio de interrogações - as coisas não fluíam, as prioridades não estavam bem definidas e as certezas sobre o futuro passaram a dúvidas. Coisas que acontecem tal e qual na vida real.


Tal como ficou registado em Kind of a Monster, os Metallica ultrapassaram os obstáculos dessa forma, just playing. O John Lennon, colega de profissão do James Hetfield também dizia que "life is what happens to you while you're busy making other plans". So, just play man...
Site Meter Site Meter