quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Piada do João Quadros, Passos e Racistas

Cheio de medo dos indignados, aqui me confesso: eu ri-me da piada do João Quadros sobre o Passos Coelho. 

Mas explico: Eu realmente lembrei-me que a mulher do Passos andava a fazer tratamentos por causa do cancro e que tinha perdido o cabelo e associei o comentário da cabeça rapada. Só que nunca me tinha apercebido que a senhora é preta. Depois de ler várias coisas sobre a piada e o politicamente correcto e até os méritos da piada, li que, realmente, sendo a senhora preta e o Passos tendo casado com alguém de outra raça, faz com que a piada perca piada, pois um racista não ia fazer família com alguém de outra raça.

Mas depois fiquei a pensar: o facto de a malta achar que a piada não tem piada só porque a mulher do Passos é preta, não é racismo???

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Nicolau Santos, o Nuno Saraiva e o Sporting

Nicolau Santos, jornalista com responsabilidades no jornal Expresso que não abdica do seu lacinho e que em tempos foi humilhado por um freguês que se fez passar por alguém importante da ONU - e se tivesse vergonha no laço hoje já não era jornalista à conta desse episódio - tem escrito sobre o seu clube do laço, o Sporting.

Ora bem, Nicolau fez uma observação aos jogos do Sporting e concluiu no dia 27 de Julho:
- Sporting. Assim não vamos lá. Esqueçam, vamos ter mais um ano perdido 

Isto foi lido pelo director de comunicação sportinguista, Nuno Saraiva, que se apressou a responder no seu facebook:
- O diretor de comunicação do Sporting começa com um “concordamos em discordar” e diz lamentar a existência de “sportinguistas que preferem alimentar o ego com opinião publicada”.

No dia 7 de Agosto, após a vitória do Sporting nas Aves, fez mais uma crónica em que responde ao Nuno Saraiva ironizando e ridicularizando o mister Jesus:
Caro Nuno Saraiva,
Depois da nossa recente troca de pontos de vista, escrevo-te para reconhecer que tens toda a razão. Ainda agora começou o campeonato mas já se vê que temos equipa para sermos campeões. Melhor, vamos ser campeões, ponto final. Todos juntos conseguiremos esse objetivo.

E o fundamental para alcançar o troféu é termos um treinador como Jorge Jesus, com provas dadas há muitos e muitos anos, sobretudo em matéria de invenções. 
(...)
E zás, colocou a jogar uma equipa que nunca tinha jogado na pré-época. Ou melhor, parte da equipa. Podence, que era dado como titularíssimo, para jogar nas costas de Bas Dost, ficou no banco. Bruno Fernandes, que era dado como titularíssimo mas com Adrien no banco, jogou com Adrien, mas numa posição que nunca Jesus tinha testado na pré-época. E assim foi como se o Sporting desta vez não começasse só com dez: desta vez foi mesmo com nove, porque Bas Dost e Bruno Fernandes pareciam peixes fora de água.
(...)
Portanto, temos que o nosso Houdini das táticas deu um banho ao Ricardo Soares.
(...)
Agora estou muito expectante para o próximo jogo que penso que é contra o Setúbal. Suspeito que vai jogar o Bruno César a defesa direito (ele é sempre muito feliz com o Setúbal), o Doumbia ao meio e o Iuri Medeiros, se ainda não foi despachado, à esquerda. O José Couceiro que se cuide.
(...)
Ah, desta vez não foi preciso vídeo-árbitro. Ganhámos mesmo sem o VAR. Foi só preciso inventar uma tática nova. Ou uma equipa que nunca tinha jogado assim. Ou colocar o Bas Dost e o Bruno Fernandes sem bola que é para eles saberem que a vida não é fácil. Grande Jesus!

Mas eis que no dia 10 de Agosto, o Nicolau resolveu fazer o broche ao Saraiva que é como quem diz dar-lhe o prazer de falar mal do Benfica em vez de olhar para dentro de casa:
- E pouco depois Ricardo Horta faz o 3-2. Invalidado pelo fiscal de linha (?) ou pelo videoárbitro. Não se sabe. Mas a decisão é péssima. Erradíssima. Do lado de cá, o lado direito da defesa do Benfica, Seferovic vem pachorrentamente a avançar, colocando em jogo Ricardo Horta. Curiosamente, só vi o lance em que aparece Seferovic numa plano da televisão - nas outras, os realizadores optaram por um plano mais apertado, onde Seferovic já não se vê nos écrans – e assim, qualquer espectador que esteja a ver o jogo em casa, dirá sem hesitações que foi fora-de-jogo. Mas não foi.
Daí a pergunta: nos jogos em casa do Benfica, quem faz a realização? Quem disponibiliza as imagens ao videoárbitro? Quem as edita depois para as televisões? Como é que na TVI24 se via Seferovic e, por exemplo, na SIC, com o plano apertado, ele já não aparecia? Mistério! Queres ver que o videoárbitro também usa óculos encarnados?

Bem, depois daquele episódio com o gajo que se fez passar por alguém importante da ONU que o Nicolau levou à televisão só porque concordava com ele, a desonestidade intelectual do homem do laço não é surpreendente, mas já chega de atirar areia para os olhos das pessoas. Que escreva no facebook como o outro e deixe de poluir a comunicação social e o Expresso.

 


 



terça-feira, 18 de julho de 2017

Homossexuais, ciganos e os indignados

A malta resolveu indignar-se outra vez. Não por causa do sirespe ou do paiol de Tancos mas porque o cirurgião Gentil Martins disse umas coisas e o candidato autárquico André Ventura disse outras.

Quanto ao cirurgião: 

Duas pessoas do mesmo sexo não podem amar-se?
Ouçam, é uma coisa simples: o mundo tinha acabado. Para que o mundo exista tem de haver homens e mulheres. Trato-os como a qualquer doente e estou-me nas tintas se são isto ou aquilo... Não vou tratar mal uma pessoa porque é homossexual, mas não aceito promovê-la. Se me perguntam se é correto? Acho que não. É uma anomalia, é um desvio da personalidade. Como os sadomasoquistas ou as pessoas que se mutilam.

Parece que o que está em causa será a definição de "anomalia", e ele acha que é anômalo um comportamento que na sua essência leva à extinção da espécie. Estará errado? Pelos vistos os indignados pensam que sim.

Quanto ao candidato:

A videovigilância vai resolver o problema dos bairros sociais?
Não digo que vá resolver tudo, mas vai ajudar. Isto que vou dizer pode não ser muito popular, mas é a verdade: temos tido uma excessiva tolerância com alguns grupos e minorias étnicas. Não compreendo que haja pessoas à espera de reabilitação nas suas habitações, quando algumas famílias, por serem de etnia cigana, têm sempre a casa arranjada. Já para não falar que ocupam espaços ilegalmente e ninguém faz nada. Quem tem de trabalhar todos os dias para pagar as contas no final do mês olha para isto com enorme perplexidade. Isto não é racismo nem xenofobia, é resolver um problema que existe porque há minorias no nosso país que acham que estão acima da lei.
Como é que se resolve este problema?
Tratando de igual forma estas etnias e os restantes cidadãos. Se há pessoas a ocuparem ilegalmente fogos imobiliários que não lhes pertencem a Câmara tem de garantir que estes imóveis fiquem livres para quem efetivamente merece. Não podemos é ter casas ocupadas ilegalmente ao jeito dos anos 60 e 70. O poder político não pode ter receio.

Parece que o que está a levantar os animos é a parte azul do texto, em que ele refere um problema que existe e atribui a causa de alguns casos à etnia das pessoas. Vamos imaginar que não eram ciganos: alguém se indignaria?

terça-feira, 11 de julho de 2017

"os rostos do sistema são o Pinto da Costa e o major Valentim Loureiro"

Dias da Cunha disse qualquer coisa parecida com isso há uns anos atrás. Yada, yada, yada e deu no Apito Dourado. Um gajo atento que tenho assistido a Seinfeld sabe que ali o Yada, yada, yada também representa sexo - os chocolatinhos e o café com leite - mas não só. Não foi só por por oferecer prostitutas a árbitros em troca de favores no campo que se formou o tal Sistema. É claro que há coisas que são difíceis de provar mas não é difícil de perceber que para além do controlo dos árbitros também poderia haver controlo sobre clubes adversários, não que seja um controlo ilícito, mas que acontece com alçada da LPF ou FPF: o empréstimo de jogadores. 

Tem sido falado a propósito das compras por parte do Benfica de jogadores para empréstimo a outros clubes, como se o Benfica actuasse não como clube mas como intermediário, confundindo o papel do clube Benfica com o de agente de jogadores. Isto é prática comum entre os maiores clubes do futebol português - o FCP faz isso há anos -, que têm excendentes de matéria prima e canalizam-na para os outros clubes. Isto tanto acontece com os jogadores contratados como com os jogadores que vêm da formação dos próprios clubes - vide o Sporting o ano passado quando condicionou o Vitória de Setúbal ao retirar-lhes os jogadores a meio da época. 

Ora bem, isto acontece porque a Liga e a Federação o permitem. E é muito fácil, se não acabar, pelo menos condicionar esse tipo de comportamento e influências: Limite-se por lei os jogadores inscritos por clube - um clube não pode ter nos seus quadros cinco ou seis equipas de futebol. E, para minimizar o dobrar das regras, o clube tem de comprovar um orçamento na liga que preveja o pagamento dos salários dos jogadores que fazem parte dos seus quadros. (Actualmente existe uma lei que limita o número de jogadores emprestados a determinado clube, mas é facilmente contornado se o jogador for oficialmente dispensado, contratado por um outro clube, mas continuar a ser pago pelo clube de origem.)

Desta forma, a formação dos maiores clubes seria também afectada, já que para além de não lhe ser permitido ter jogadores da formação aos magotes, também lhes seria mais difícil garantir o seu crescimento noutros clubes e faze-los regressar mais tarde já mais maduros. Mas repare-se, Portugal não é só Benfica, Porto e Sporting. Isto só faria com que estes clubes fossem mais selectivos nas suas captações e pudessem deixar para outros clubes por Portugal fora a formação dos putos, que muitas vezes são retirados de casa dos pais para serem mandados para as grandes cidades e acabam por se perder. Portugal não é só Lisboa e Porto. 

A Liga tem de exercer o seu papel de regulador. Porque se não for para isso, para que existe?

ps: O caso dos vouchers também foi muito falado e nem sequer vale a pena discutir se um almoço e uma camisola podem ser considerados suborno. Mas, havendo essa suspeita, de que vale impor um limite de preço? é apenas populismo e não resolve coisa alguma. Se dar presentes a árbitros pode ser considerado suspeito, então acabe-se totalmente com essas prendinhas! e a quem mesmo assim for oferecido tem de reportar. Acabava-se o assunto e a palhaçada.



segunda-feira, 19 de junho de 2017

A Judite e os mortos

Às vezes a gente está tão perto da árvore que não vê a floresta. Em época de incêndios florestais vem a preceito a comparação. Vamos por assim dizer que o caso do grande incêndio é a floresta e o caso da Judite de Sousa é a árvore. 

Caso do grande incêndio (a floresta): Dezenas de mortos, falta de meios para acudir às populações, estratégias de combate deficientes, pessoas desviadas de carro para a morte...

Caso da Judite de Sousa (a árvore): Fez um directo para o telejornal em que apareciam cadáveres no fundo. 

Os mortos mostrados no directo da Judite são a consequência do grande incêndio! Da falta de meios para acudir às populações, das estratégias de combate deficientes, de pessoas aparentemente terem sido instruídas por autoridades a dirigirem-se por determinado caminho para dentro do fogo. Mas o que choca mesmo é o directo da Judite??

Nos últimos tempos foi-se enraizando uma cultura do politicamente correcto que só leva ao desvio de atenções, que enviesa as discussões, que altera prioridades e choca pelas razões erradas.

Infelizmente, a Judite de Sousa é directamente afectada por esse problema e duplamente. Aqui há tempos foi notícia por ter dito num programa de televisão ou de rádio que tinha presenciado uma chacina no Uganda e foi acusada de, sei lá, não ter chorado ao falar disso (!?) e chocou as pessoas que viram/ouviram. Agora é acusada de ter mostrado vítimas de um incêndio na televisão que chocou os espectadores. Ora, o que devia chocar as pessoas é a chacina no Uganda e não a quantidade de emoção com que a Judite falou dos mortos. O que devia chocar os espectadores é o incêndio e o que não foi feito para que tivesse tido as consequências nefastas que teve e não a Judite ter feito um directo com mortos no chão. A prioridade é discutir a floresta, não a árvore! Os factos tendem a ser mais importantes do que a apresentação dos factos.

O mesmo principio pode ser aplicado à Judite de Sousa: o importante é julga-la pela sua competência ou falta dela (o Medina Carreira que o diga) e não por episódios de falta de sentimentos ou emoções ou falta de gosto na escolha da cor do baton.



quarta-feira, 14 de junho de 2017

I play man, I play...

Kind of a Monster é um documentário patrocinado pelos Metallica sobre eles próprios. As filmagens decorriam quando, coincidência ou não, a banda teve um período cheio de interrogações, as coisas não fluíam, as prioridades não estavam bem definidas e as certezas sobre o futuro passaram a dúvidas. Coisas que acontecem tal e qual na vida real.

A série Billions acompanha um gestor de um fundo de alto risco e os seus problemas com a justiça - relações com Wall Street, relações com políticos e Donos Disto Tudo, informação privilegiada e os negócios do costume. O gestor é rico, tem casa de rico, tem mulher de rico e tem vida de rico. Mas os problemas com a justiça e os negócios errados afectam a vida pessoal causando um período cheio de interrogações - as coisas não fluíam, as prioridades não estavam bem definidas e as certezas sobre o futuro passaram a dúvidas. Coisas que acontecem tal e qual na vida real.


Tal como ficou registado em Kind of a Monster, os Metallica ultrapassaram os obstáculos dessa forma, just playing. O John Lennon, colega de profissão do James Hetfield também dizia que "life is what happens to you while you're busy making other plans". So, just play man...

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Champions League: campeões e derrotados por ano

Nas ultimas 5 finais a que foi, a Juventus perdeu-as todas. O Real Madrid apenas perdeu 3 finais da Liga dos Campeões em toda a sua história - para Benfica, Inter de Milão e Liverpool.

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Benfica: a expectativa e a realidade das ultimas duas épocas

Voltando a julho de 2015: Jesus sairia do Benfica e era contratado pelo Sporting, o Benfica que tinha acabado de ganhar o campeonato ainda perderia o lateral direito titular para o Porto, que na segunda época de Lopetegui se reforçaria ainda com Casillas acabado de chegar do Real Madrid, o ferrari Imbula e Tello, promessa do Barcelona. A época 2015/2016 seria assim discutida entre Porto e Sporting, os favoritos a ganhar o título e que ainda ganharam a Supertaça à ex equipa de JJ. Se não fosse pelo Benfica, que ainda chegou aos quartos de final da Champions League e foi eliminado pelo Bayern de Guardiola. 

Previsão na luta pelo Campeonato: Porto vs Sporting     Campeão: Benfica
Previsão na luta pelo segundo lugar: Benfica                    Segundo: Sporting 

Julho de 2016: O Sporting, que competiu pelo campeonato com o Benfica na época anterior foi aclamado como vencedor "do merecimento" pela imprensa amiga e máquina de propaganda leonina. A época de 2016/2017 não haveria de fugir, o Porto estava de rastos e sem reforços que o fizessem sonhar e o Benfica tinha ganho o campeonato anterior por sorte. E arbitragens. O Sporting consegue manter a espinha dorsal da selecção que havia ganho o campeonato europeu e juntava-lhes o ex craque do Benfica Markovic e a promessa do Arsenal Joel Campbell. Em dezembro já tinha perdido o campeonato. O Porto de Espirito Santo conseguiu bater-se até ao fim com o Benfica.

Previsão na luta pelo Campeonato: Sporting                        Campeão: Benfica
Previsão na luta pelo segundo lugar: Benfica vs Porto         Segundo: Porto

 

sexta-feira, 5 de maio de 2017

quarta-feira, 29 de março de 2017

Olá Lisboa, autarquicas

As coisas não têm sido fáceis para Passos Coelho. Ganhou as eleições depois de governar na bancarrota e foi substituído pela geringonça unida de esquerda liderada pelo António Costa, ex número 2 de José Sócrates, o tal que havia provocado a bancarrota. Como uma desgraça nunca vem só, demora a vir o diabo como previra o Passos e as vitórias para inglês ver de que a geringonça se gaba deixam-no cada vez mais em piores lençóis. Esta é a altura propícia ao "kick him when his down", aproveitada logo dentro do partido pelo PSD-Lisboa que não se coibiu de contratar a voz mais visível contra o líder Passos - José Eduardo Martins - para fazer o programa para a Capital. Como se não bastasse o atrevimento do PSD-Lisboa, o próprio Eduardo Martins também não se fez rogado e aceitou - o que só lhe fica mal - sem vergonha nenhuma. Ficou a faltar o candidato.

Aproveitando a indefinição e a luta interna do ex parceiro de coligação, o CDS chegou a Cristas à frente e assumiu a luta ao Medina, ex número 2 de António Costa em Lisboa e de longe previsível vencedor das eleições que se avizinham. Encorralado, Passos escolheu não apoiar a candidata da direita e avançou com fabricação própria, Teresa Leal Coelho, para fazer frente a Medina e por arrasto à Cristas. 

No estado actual, é empiricamente aceite que o ex número 2 do ex número 2 de Sócrates - Medina - já ganhou as eleições e só é preciso ver por quantos é que a direita vai perder para medir o tamanho da derrota. Mas, e se...?

Medina parte para a corrida sendo o Internet Explorer da eleição: dominador, aclamado por todos e, principalmente, sem concorrência. Depois aparece a Assunção Cristas, o Mozzilla Firefox, que vai conquistando o seu lugar junto dos insatisfeitos e consegue superar a margem residual com que iniciou a contagem. E é aí que entra o Google Chrome: De surpresa, ninguém dá nada por ele e de repente...Era giro. Porque o Anthony Soprano é que era o chefe, mas o Silvio Dante não era anjinho nenhum.

terça-feira, 7 de março de 2017

O Benfica negócio

Aqui há dias houve mais uma entrevista do Presidente Vieira à televisão, neste caso do Correio da Manhã. Do Presidente há quem goste (pelo demonstrado nas eleições a clara maioria) e há quem não lhe aprecie o estilo. Quanto a resultados, aparentemente ninguém põe em causa o mérito, isto dentro da razoabilidade de num mercado concorrencial não se ter de ganhar todas as provas disputadas, pelo que o que foi conquistado nuns últimos anos tendo em conta o contexto e o histórico recente é bastante apreciável.

O modo como o Benfica é gerido actualmente é - como de resto tem de ser nesta sociedade moderna em que o romantismo ocupa um lugar igual ao percentual ocupado pelo capítulo de receitas de cotas de sócios - de cariz empresarial em que há receitas, custos, amortizações, dividas, juros em afins. Como de resto foi elogiado pelo ex administrador da SAD do FCPorto Angelino Caldeira, a estratégia que o Benfica tem aparenta ser a mais adequada ao mercado português - periférico, com pouco público (consumidores) e consequentemente com volume de receitas inferior.

Assim sendo, e não tendo argumentos para disputar mercados publicitários e de televisão com outros clubes europeus com os quais tem de (e consegue) competir desportivamente, a fonte de financiamento tem de ser focada nos jogadores. E isto significa tratá-los como bens, adquiri-los a preços baixos e vendê-los a preços altos e com alta rotatividade.

A tendência será os jogadores ficarem cada vez menos tempo no clube para que o seu preço possa pagar a estrutura e a chegada de outros jogadores que lhes ocupem o lugar ou pagar mais a outros para que fiquem mais tempo. Os jogadores mudam e o clube fica (e sustenta-se e prospera).

Posto isto, é justo dizer que os jogadores são o produto da nossa empresa e tal como os sapatos são o produto de alguma outra empresa ou os carros serão o produto de outra, é preciso po-los no mercado e vende-los. E como consegue uma empresa de sapatos vender o seu produto? Hoje, não basta ir a uma loja e esperar que o responsável faça uma encomenda: em empresas de dimensão que não lutem pelo mercado do bairro, tem de exportar, internacionalizar e fazer conhecer o produto lá fora. E por muita boa vontade que se tenha, mostrar os sapatos na televisão não faz o truque. Há milhares de sapatos a aparecerem na televisão - e a Liga dos Campeões tem muitos clubes com muitos jogadores bons como os nossos e até melhores. Agora, se eu conhecer um comercial que tenha boas relações com várias lojas pelo mundo fora, talvez os responsáveis por essas lojas estejam mais propensos a aceitar a sugestão do comercial e a encomendar os sapatos que eu produzo.

Não será justo que eu pague ao comercial o serviço de intermediação? Acho que sim. Para essas coisas é que existem os Jorge Mendes da vida. Ter um Jorge Mendes é um trunfo para o Benfica ganhar dinheiro e será sempre bom tê-lo enquanto valer o preço que cobra. Não é em regime de exclusividade, que nestas coisas é sempre bom não por os ovos todos no mesmo cesto e a concorrência é sempre proveitosa. 

O futebol funciona com dinheiro. A vida funciona com dinheiro. Como disse o Seinfeld, as pessoas não recusam dinheiro - é o que nos separa dos animais. Então, bola para a frente e penálti pró Porto.



quinta-feira, 16 de fevereiro de 2017

Mário Centeno, o conquistador

Mário Centeno é aquele gajo que passou pela boazona na rua. Meteu conversa, deram os números de telemóvel um ao outro e nas mensagens que trocaram ele disse-lhe tudo o que ela queria ouvir a ver se a conseguia comer. Disse-lhe que a amava, que se casaria com ela e a faria a mulher mais feliz do mundo. Ela acreditou e quando deu conta acordou sozinha deitada nua na cama e o Mário já se tinha ido embora. Crente nas mensagens tão amorosas que o Mário lhe enviava foi-se deixando levar (para a cama). O Mário andava todo satisfeito até que a gaja começou a cobrar, a ligar lá para casa, a bater-lhe à porta e a queixar-se aos amigos. O Mário lamentou ter-lhe dado falsas esperanças mas que era muito jovem para assumir um compromisso tão sério e desmentiu as promessas, mas já nem queria saber do assunto porque até já tinha engatado outra.

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

O Dortmund foi à Luz e perdeu

O Tuchel diz que o resultado foi ridículo. Na opinião de alguns adeptos o Benfica ontem perdeu, tal foi a vergonha da exibição. Aparentemente o Dortmund está na moda e é escandaloso não ganhar os jogos todos mas o estádio na segunda circular ao qual os amarelos foram jogar ontem não foi o de Alvalade. 

O Benfica entrou bem na primeira parte assim como entrou bem na segunda. Se na primeira acabou por ser dominado, não foi uma coisa de nitidez tão absurda e para uma equipa que tem jogadores daquele nível não é de estranhar. Já na segunda, o Dortmund entrou a perder e foi buscar o golo que o Benfica tentou defender. Normal!

O Aubemiyyanng falhou um golo isolado na primeira parte numa jogada corrida - acontece!
O Abemiangyinn falhou um golo isolado na segunda parte - a acumulação é mais estranha mas foi uma bola que lhe foi parar aos pés vinda de um ressalto e em que não é certo que não estivesse adiantado face ao ultimo defesa.
O Aubbemyoong falhou um pénalti - uma terceira oportunidade na cara do guarda redes falhada já é uma aberração estatistica mas, o pénalti não foi para punir uma bola que ia entrar na baliza e que foi cortada com a mão, não foi para derrubar um jogador isolado frente à baliza. Foi um braço que ficou à solta num carrinho para impedir um cruzamento. E nem sequer foi de propósito!
Houve outra que o Ederson sacou num remate fora da área mas...a defesa foi de categoria porque a bola ressaltou num jogador à frente dele.

Resumindo, o Dortmund falhou uma única oportunidade flagrante criada (em que não precisou da tão aclamada sorte que o Benfica teve para resistir ao ataque dos alemães). O resto é o resto.

domingo, 29 de janeiro de 2017

os argelinos que fugiram do aeroporto de Lisboa e o minitério público

Coisas ridículas: desde os atentados do 9/11 a indústria da aviação sofreu muitas mudanças nos costumes de segurança, mas aparentemente essas modernices não chegaram a Portugal. Aqui, é possível não utilizar os corredores de segurança normais, escapulir-se para a pista e sair do aeroporto pulando a rede. O sistema é tão idiota que o ministério público não consegue enquadrar isto num qualquer crime. E a juíza limita-se a seguir o guião e absolver. Ninguém é chamado a prestar contas e está tudo bem, a incompetência vence. O outro dia vi o filme Law Abiding Citizen que aconselho aos responsáveis deste caso - quando as entidades competentes não conseguem promover a justiça, abre espaço aos malucos que a farão pelas próprias mãos. E nestes casos a coisa fica mais grave porque os incumpridores são estrangeiros - ainda há dias houve também o caso dos gémeos iraquianos filhos do embaixador. Depois anda tudo a lamentar-se que o mundo é horrível por os ingleses terem votado no brexit ou o Trump ter ganho as eleições.

Site Meter Site Meter