quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Em vez de condolências



É bastante claro que o papel que fazem os bombeiros nos fogos de mato é muito pequeno. Fogo é fogo e não são meia dúzia de mangueiras que fazem a diferença. Posto isto, num combate completamente desequilibrado é natural que os bombeiros percam para os fogos. O que é grave é que perdem a vida.

Por isso, tendo em conta o histórico de derrotas, o papel dos bombeiros deve mudar completamente assim como a estratégia de combate aos incêndios de floresta. Como é obvio, é preciso apostar na prevenção. E aqui não estou a falar de presos, desempregados e sem abrigo a limparem as matas. O que é necessário é a patrulha. Pelos montes, pelos caminhos, pelo território. Porque estando as matas vigiadas de perto, há menos probabilidade do criminoso ir lá deitar o cigarro e, mesmo que uma besta dessas o faça, a intervenção seria muito mais rápida e eficaz.

O problema da mudança de estratégia, que de tão clara se torna obscena, é a tal industria sustentada à pala da ocorrência de fogos. E, não querendo entrar em polémicas bacôcas e apenas constatando, parte dessa indústria são os bombeiros. Mas nem todos porque como se vê, quando o lume sobe, quem se lixa é o mexilhão. Outra e outra vez. É preciso mudar a política. Uma morte que fosse já era demais.


3 comentários:

GuilhRod disse...

Claramente e preciso mudar de estrategia. E claramente tera de mudar a abordagem antes de haver chama e enquanto ha chama.

E atençao, os vigilantes por si so nao bastam. A chama propaga-se rapidamente de mais.

E preciso mao pesada para quem nao rapa a sua mata (do estilo da que ha para quem nao pede factura no cafe!).
E preciso mao muito pesada para quem e suspeito de piromania (as pessoas tem de ter medo de ser se quer confundidas com piromanos).
E preciso mobilizar o exercito em força e com antecedencia para este combate anual (Ficam a espera de ser grave para ser mobilizados?!).

Mas isto que tem custos baixos nao chega, e preciso gastar dinheiro em meios pesados (aereos). Se estamos a cortar nos cuidados de saude todos os meses (morre mais gente por causa disso), na educaçao, nos meios de ataque a sinistros, etc.

A questao e que os incendios e um flagelo que para prevenir gasta dinheiro portugues, para consertar, se os danos forem muitos, gasta dinheiro europeu. Get it? Quando se faz o OE, sabe-se disto e decide-se com base nisto.

RedJoker disse...

Se se continuar a desviar o dinheiro destinado à prevenção de incêndios para o combate, não antevejo nenhuma melhoria, antes pelo contrário...

formatted error free disse...

A merkel então continua a dar abébias e a visão do politico portugues é demasiado simplista. os estrageiros até podem pagar os estragos (nem todos né?), mas quem morre são os portugueses.

Site Meter Site Meter